15 junho 2017

🙅As paredes que criamos em nós mesmos📝

Oi, vida... como vai você? Anda tudo tão corrido, né? Eu sei, eu sei... tenho andado sem tempo para respirar, mas ainda assim essa correria me fascina. É tanto papo para colocar em dias, né? Preciso abrir o peito e tirar o que tanto há de dentro e é isso que vou fazer.

Passamos a vida inteira correndo contra o tempo, caindo, levantando, aprendendo com o tombo, caindo de novo e assim sucessivamente. Até aí, nada de novo sob o sol. O problema é quando você carrega consigo barreiras que parecem intransponíveis e, mesmo tentando ao máximo derrubá-las, nada parece sair do lugar mesmo quando parecia que iria.

Você quer sair, quer gritar, quer arrebentar com os fios que te prendem e mesmo assim todo o esforço, de alguma maneira, parece ser em vão, pois você continua sempre fazendo o mesmo de sempre e acaba tendo que se policiar mil vezes mais para que tenha coragem suficiente de tomar atitude e vencer o medo.

Veja bem, o que fazer quando o que não lhe falta é atitude e você é cheia dela, mas quando tem a ver com corpo, fogo, desejo, coração... você simplesmente para e todas as suas iniciativas parecem nulas?

O ardor que carrego no peito e os pensamentos em minha mente se dissipam como fumaça e queimam lentamente em mim como a bituca do cigarro de um ébrio a dormir na praça fria após a festa acabar e nada dela restar, somente os meros restos inócuos de lembranças que ficarão, mas que não se repetirão. 

Eu penso demais nas possibilidades, tanto que acabo me esquecendo das oportunidades. E é perdendo-as que viro refém de mim mesma, presa nessa espiral contínua de expectativa e realidade, pensamento e ação. 

O pior é saber que as mesmas oportunidades nunca poderão acontecer novamente, é aí que o sentimento fica pior e toma conta do peito como um câncer corrói as células saudáveis de um organismo em iminente decadência. 

Você tenta dizer a si mesma que foi melhor assim, que era pra ser assim, que evitou dor de cabeça futura, mas o turbilhão de sentimentos te inunda e te deixa afundar em si até que seus pulmões ardam e a pressão os faça explodir. Mas é assim, não é mesmo, caros amigos, a gente aprende com o que aconteceu... ou, no caso, deixou de acontecer. A vida é esse constante ensinamento mesmo. 

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Bem poético ♥
    Gosto de pensar que as coisas acontecem no seu tempo, então talvez seja melhor levar em consideração o que acontece no nosso dia a dia e levar isso em mente para futuras ocasiões, e que a gente viva sem remorsos de nossas decisões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que resposta linda! Amorei ♥ Penso o mesmo.

      Excluir

Fortaleza, 23 anos, ariana, intensa, impulsiva, passional, empática, feminista, louca, estranha, artista, livre, mente aberta. Música, cinema, fotografia, artes, natureza são minhas paixões. Uma pequena mulher com grandes planos de se aventurar pelo mundo.

 

Wanderlust ©2013-2017. Todos os direitos reservados.

Design, Layout e Programação por Micaela Ramos.

----Voltar ao Topo----