22 abril 2015

Renascimentos e recomeços: Sobre o dia que eu comecei de novo do 0

Oi, pessoal! Tudo bem? O post de hoje é sobre a vida, sobre as mudanças que ocorrem nela e sobre como é importante recomeçar, nem que seja do zero, alguma ou algumas vezes na vida.

Já faz um tempo que eu tinha que, aqui nesse meu espaço, nesse meu cantinho, falar de como as coisas mudaram por aqui e pela minha vida, falar de como eu mesma mudei e do quanto isso está me fazendo bem. É meio difícil encontrar palavras para falar de si mesma ou de situações que lhe cercam, que fazem parte da sua história, mas é preciso falar e é preciso fazer memórias. 

Ano passado minha ficha caiu. Isso mesmo, eu passei por um momento de grande autoanálise e foi preciso derrubar muitas lágrimas para perceber que o que eu estava fazendo com a minha vida não era o que eu realmente queria dela, não era o que eu esperava de mim mesma e muito menos o que eu queria ver e lembrar quando estivesse lá na frente, nas etapas mais distantes da vida, e percebesse que eu poderia ter feito tanto e tanto ter dado de mim e não o fiz. Quando cheguei a um estado de consciência mental e psicológica maior de mim, fiz algo que há tempos queria fazer: larguei o curso que estava fazendo! Biblioteconomia, na Universidade Federal do Ceará, para ser mais exata. Muitas pessoas acharam loucura eu estar fazendo isso por já estar perto de terminar e ter um diploma, mas eu te digo que loucura é querer forçar a si mesma estar em um lugar ou fazer algo só por osmose, porque entrou ou porque já está perto de acabar, simplesmente não consigo entender porque as pessoas se forçam determinadas coisas na vida, quando na verdade basta dizer um não e, mesmo que se sofra, lutar pelo que quer. 

Passei um tempo perdida, sem rumo, na verdade ainda ando meio assim, mas já me encontrei mais e já sei o que quero para minha vida, pelo menos sei da carreira profissional e nem é algo traçado em linha reta, gosto de ver as coisas com cores e formas diferentes e se for para seguir algo, que seja fazendo tudo o que me agrada e me torna feliz. Descobri que quero fazer e ser cinema/audiovisual, que quero sim estar nas artes e fazer parte delas. 

Foi decidindo o que quero ser e fazer da minha vida que eu fui abrindo mais os olhos e desde metade do ano passado venho andado o mundo com olhos abertos, abertos para tantas coisas feitas contra o ser humano pelo próprio ser humano, descobri que os humanos, em sua maioria, são imundos e violentos, cruéis, mas que o mundo é lindo e merece ser tratado como tal, afinal, por mais que haja 1 milhão de pessoas com ações ruins, 10 pessoas com ações boas pesam muito mais e fazem a beleza do mundo valer mais. 

Desde então eu venho renascendo e recomeçando a cada dia, mudando antigas formas de pensar, antigos conceitos e preconceitos passados de séculos pela sociedade, dentro de nossas famílias e cultivados em nossas culturas. É lindo acordar de manhã e ver como se tem mudado, perceber que tem evoluído bastante e que isso é só o começo, que falta muito para aprender e tanto para crescer. 

É ótimo ser livre, é perfeito pensar mais abertamente sobre as coisas, sem a carga negativa passada pela sociedade e pelos nosso pais e familiares, é simplesmente lindo ver o mundo em suas várias nuances e cores e aceitar/conviver com as diferenças, porque é nelas que reside a beleza do universo. 

Como a Lua, agora eu realmente me sinto plena, sempre mudando de forma, de cor e de lugar. Agora eu sei que estou no caminho certo, se isso não é renascer belamente, o que é então?


Isso é tudo, pessoal. 
Foi ótimo compartilhar algumas coisas com vocês, em breve teremos mais.
Beijos da Mi:*

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Adorei o post. Acredito que muita gente passa por isso de entrar em um curso e realmente descobrir depois que e aquilo que realmente não quer, até porque acho que entramos muito cedo no mundo universitário sem ao menos nos conhecermos de verdade. Acho que a dificuldade em poder fazer o que realmente quer reside principalmente na pressão, seja da reação de familiares ou pessoas próximas. Eu também me sinto dessa maneira, mas fico receoso em largar tudo para ficar com nada. Tu foi bastante corajosa e admiro isso em ti, parabéns e sucesso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ADOREI seu comentário!
      P.S. Em minha humilde opinião, quando a gente larga o que não quer por algo que quer, por mais que não se tenha o que quer ainda, já é ter muita coisa, é ter garra e amor a si próprio o suficiente para lutar pelo que se quer, independentemente das barreiras. Obrigada pela admiração :3
      Beijos :*

      Excluir

Fortaleza, 22 anos, ariana, potterhead, narniana, whovian, shadowhunter e muitas outras atribuições. Livros, música, cinema, fotografia, artes, geekices e nerdices são minhas paixões. Uma pequena garota com grandes planos de se aventurar pelo mundo.

 

Wanderlust ©2013-2017. Todos os direitos reservados.

Design, Layout e Programação por Micaela Ramos.

----Voltar ao Topo----