26 novembro 2014

{Resenha} "Insurgente", Veronica Roth

"Insurgente"
"Divergente", #2
Veronica Roth
Editora Rocco
Brochura, 512 páginas, Ano: 2013, ISBN: 9788579801556
Links alternativos: Skoob - Goodreads - Extra - Submarino
Sinopse:
Na Chicago futurista criada por Veronica Roth em Divergente, as facções estão desmoronando. E Beatrice Prior tem que arcar com as consequências de suas escolhas. Em Insurgente, a jovem Tris tenta salvar aqueles que ama - e a própria vida – enquanto lida com questões como mágoa e perdão, identidade e lealdade, política e amor.
Quando terminei "Divergente", lógico que vim correndo ler "Insurgente" e para a minha surpresa, as coisas ficaram ainda mais complicadas do que estavam (tá, só isso não teria sido uma surpresa tão grande para a minha pessoa quanto as descobertas que me aguardavam ao ler o final do livro).

Louco. Surpreendente. De gelar o coração.


A sequência de "Divergente" não veio para brincar hein? Chegou com resquícios do final do primeiro livro (claro), mas bem temperada e cheia de descobertas legais sobre cada facção, as quais foram apenas citadas parcialmente no primeiro livro. Tris, Tobias e cia. vão para a sede da Amizade para procurar por ajuda e teto lá, o que é uma boa ideia, apesar de que eles têm de cumprir com uma série de "regrinhas básicas" para continuar promovendo a "paz" que os nativos da Amizade tanto buscam, logo logo essas regras se tornam um estorvo para eles aguentarem, então já sabem o que acontece né? Sim, briga e mais briga até a "amada" (só que não) Erudição chegar lá procurando pelos "fugitivos" e vocês bem sabem que a Amizade não iria entregar Tris, Tobias e os demais né? Após tiros, sangue e morte, eles conseguem sair de lá. Antes de saírem de lá, eles descobrem umas coisas, Tris principalmente, que desconfiada e esperta como é, não aceita o fato de os pais terem morrido para nada. Um dia no jardim apreciando uma árvore ela escuta Marcus conversando com ela vai querer descobrir o que Marcus Eaton (pai de Tobias) está tramando com Johannah Reyes, "líder" da Amizade. Ela fica com uma pulga atrás da orelha após escutar que Jeanine Matthews não invadiu e matou centenas de pessoas da Abnegação apenas por causa dos divergentes e da sede de poder, mas por querer saber algo que somente os líderes da Abnegação tinham conhecimento. Também descobrimos que o soro da Amizade é o soro da paz, em que é colocado no pão e deixa as pessoas mais calmas, amenas e desligadas das coisas, mais amigáveis. Ao saírem de lá eles embarcam em outra aventura e vão parar na sede da Franqueza e lá eles descobrem da pior maneira como é ter o soro da verdade nas veias, principalmente quando eles têm de expor seus segredos mais profundos na frente de todos os presentes, é aí que Tris descobre que pode driblar o soro e decidir qual parte da verdade contar, nesse momento que Christina fica sabendo por quem Will foi morto. Depois de tantas coisas e das tramas de Jeanine para que Tris e Tobias se entreguem, depois de muitos acontecimentos de dar nos nervos, vocês presenciarão um final de queimar seus nervos e deixá-los expostos. 


Os personagens aqui estão mais sofridos do que antes, mais desconfiados e mais lutadores, apesar de permanecerem os mesmos personagens com o decréscimo de alguns e o acréscimo de outros e uns que já tinham sido nos apresentados no primeiro livro ganharem mais espaço nesse segundo livro. As relações entre eles vão se estreitando e eles vão descobrindo que fica difícil confiar uns nos outros com tantos segredos escondidos, mas mesmo assim eles têm de permanecer unidos, e mesmo durante a guerra, brincam e sorriem.


O design não deixou a desejar, dessa vez nos tons da natureza e das plantas: verde e marrom. Sim, há uma árvore na capa representando a Amizade (pelo menos o que percebi) e a cidade embaixo. A diagramação é a mesma do primeiro livro e a leitura é nos deixa mais apreensivos e nervosos nesse livro do que no primeiro, afinal, as descobertas escabrosas começam a aparecer aqui. haha


Recomendo a quem leu o primeiro livro, claro. A quem gosta de distopia, daquela visão de mundo no futuro em um caos, ação, romance, mistério e tantos outros gêneros que eu pude encontrar nesse livro. Adultos, crianças, adolescentes, homens e mulheres podem ler, mas eu acho (em minha humilde opinião) que quanto mais maturidade você tem, melhor você entende o que o livro quer passar.



Isso é tudo, pessoal.
Até a próxima!
Beijos da Mi:*

Comente com o Facebook:

4 comentários:

  1. Poxa, ainda não li divergente! =( Quando eu ler, com certeza venho ler a sua resenha de insurgente. hehe

    Beijos!

    www.livroseflores.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois te aconselho a ler, é muito bom, sério. Vai ficar doidona que nem eu hahahahahahaha
      Beijos! :*

      Excluir
  2. Sinto te dizer que em "Convergente" você vai surtar!! Hahahaha
    Eu amo essa trilogia de paixão e até sinto falta dela, mas o que me resta é ver a adaptação cinematográfica... Rs
    Ótima resenha, nem deu spoiler! Beijosss
    http://rabiscosecenas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já estou na metade do livro e estou mais do que surtando ahahahaha
      Eu vou sentir muita falta porque é uma trilogia BAMMM daquelas, vou te contar. Pior é que são tantos livros pra ler que não dá nem pra repetir ahahaha
      Obrigada, flor... dei sim.. de Divergente auhauahuaaua quem não leu iria ficar raivoso.
      Beeeeeeeeeeeeeeijos! :*

      Excluir

Fortaleza, 23 anos, ariana, intensa, impulsiva, passional, empática, feminista, louca, estranha, artista, livre, mente aberta. Música, cinema, fotografia, artes, natureza são minhas paixões. Uma pequena mulher com grandes planos de se aventurar pelo mundo.

 

Wanderlust ©2013-2017. Todos os direitos reservados.

Design, Layout e Programação por Micaela Ramos.

----Voltar ao Topo----