29 janeiro 2014

"A Seleção", Kiera Cass

"A Seleção"
The Selection, Livro 1.
Kiera Cass
Editora Seguinte
Brochura, 368 páginas, Ano: 2012, ISBN: 9788565765015
Média de preço: R$25,00
Links alternativos: Skoob - Goodreads - Americanas - Extra - Saraiva - Submarino
5 Estrelas
Sinopse:
Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe - e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar.
Para tudo, esse livro é DEMAIS! Eu o comprei na Saraiva física, não aguentei quando vi o preço e comprei, depois de duas semanas, ele estava quase R$10,00 mais barato, mas tudo bem. Eu o li antes do que esperava porque meu namorado o leu e ficou louco pelo livro e me incentivou a lê-lo, então eu embarquei na aventura, mal sabia o que me esperava.

Romântico. Doce. Diferente.

A história se passa no que seria o Estados Unidos do futuro, após a 4ª Guerra Mundial e muitas mudanças em sua estrutura política, financeira e etc. Após a China ter tomado o país, ele passa a ser chamado de Estado Americano da China, com tantas revoltas e o país querendo o que é seu de volta, após a 4ª Guerra Mundial o país volta ser independente e próprio e acaba sendo chamado de Illéa, nome do "salvador" da nação. Mas, as coisas mudaram muito e já não havia mais democracia, os presidentes não era mais presidentes, mas reis, rainhas e príncipes, a realeza agora regendo o poder da nação. As princesas se casavam com príncipes de outras nações, para manter a paz e estabelecer ligações e negócios entre os países, já os príncipes tinham de escolher suas princesas dentre as "plebeias", dentro das castas (a divisão da sociedade de Illéa, que eram divididas por castas, indo da 1 (realeza) para 2 (celebridades, modelos, atletas profissionais, políticos, etc.); 3 (professores, escritores, inventores, filósofos, cientistas, médicos, veterinários, etc.); 4 (fazendeiros,  joalheiros, chefes de cozinhas, mestres de obras, donos de restaurantes, lojas e hotéis, etc.); 5 (artistas, músicos e dançarinos); 6 (secretários, serventes, governantas, costureiros, etc.); 7 (jardineiros, pedreiros, lavadores, trabalhadores braçais no geral) e por última, a casta 8 (pessoas com deficiência [especialmente desamparadas], viciados, fugitivos, sem-teto.) Com base nisso, deveriam ser escolhidas 35 garotas da nação, claro que elas tinham escolha, elas mesmas se candidatavam e eram escolhidas (dizia-se que era sorteio, mas isso era questionável), enfim, dentre essas garotas estava America Singer, uma garota de casta 5, que tem 4 irmãos, pais que amam e um cara, Aspen, da casta 6, mas ela é meio forçada a participar da Seleção (nome do evento que escolhe as princesas). America é uma das 35 escolhidas e vai para o palácio, onde moram o Rei, a Rainha e o Príncipe Maxon (futuro rei e marido da escolhida). America é uma linda jovem ruiva, destemida, corajosa e sincera, que sempre ou quase sempre fala o que pensa e que não se encaixa no título de princesa por ser muito aberta, ter o coração bom e não saber desprezar ninguém mesmo onde está, respeitando até mesmo as empregadas. Dentre as mais variadas castas e moças, estão as mais legais, boas até mesmo as mais "nojentas", que fazem de tudo para derrubar umas as outras. Mesmo assim, uma em especial parece reter o coração do príncipe Maxon e quem seria ela hein, senão America Singer, a garota da casta 5 que ele encontra numa tentativa frustrada dela de respirar no jardim e os guardas não permitirem e o príncipe aparecer e deixá-la sair. America se mostra desinteressada na Seleção e o diz que poderia ser sua amiga e o ajudá-lo a encontrar a sua garota. Ao passar algum tempo e muitas garotas serem excluídas, em meio também ao cenário de guerra e opressão lá fora, com rebeldes querendo avançar no castelo, Maxon e America vão se aproximando mais e muitas coisas vão acontecendo.

Os personagens desse livro são muitos e muitos, não há como falar de cada um ou a resenha será maior que  o livro, mas posso falar dos relacionamentos dos personagens mais principais da trama. Primeiramente falando de America e seus pais, a mãe de America é muito enérgica e sempre manda em tudo e em todos e não deixa America em paz por um segundo enquanto que seu pai é calmo, honesto, amigo e preza pela educação da filha mesmo que seja proibido até certo ponto saber da história do país, etc. Os irmãos de America são 4, uma casou com um homem da casta 5 e está esperando um filho, o segundo mais velho tinha mania de grandeza e comprou seu direito de ser casta 3 pois é um pintor famoso e abandona a família, a irmã mais nova de America é como se fosse sua versão mais nova e é romântica e mais falante, etc. Aspen é o garoto apaixonado por America, mas é o típico machão orgulhoso e machista, que manda a garota ir por motivos fúteis e acaba se arrependendo depois e tentando estragar a felicidade dela. Maxon é o tipo príncipe mesmo, atencioso, carinhoso, romântico, fofo e bonito, ele tem todos os atributos que podem fazer uma garota cair por ele e minutos, o relacionamento dele com America é muito rápido e pode-se dizer que são amigos mesmo, mas até onde vai a amizade hein?

O projeto gráfico desse livro me fascina. É MUITO fofinho, muito lindinho. A capa tem aquele tom de azul que parece verde, mas é azul, com a menina ruiva representando a America e uma parede de espelhos atrás com outras meninas, fazendo um efeito de tantas outras desbotadas enquanto que America está em destaque. A coroa de princesa em alto relevo branco com o nome do livro abaixo e então o nome da autora são lindos também. A folha é pólen soft (que eu amo) e o livro é bem maleável, molinho, não é aquela coisa dura que fica difícil de abrir e ler tranquilamente, é bem gostosinho de pegar, passar a mão, ler.  A leitura é fluida e dá para lê-lo em menos de 24 h, o que por si só já diz muito sobre o livro.

Eu o indico a quem gosta de distopias e sabe que pode lidar com os conflitos do livro e dos personagens, para quem adora uma leitura rápida e bem escrita e uma história bem elaborada e muito boa. Young adult, ficção, distopia, quem gosta desses gêneros, AAh e romance também, vai amar esse livro tão especial.


Espero de coração que vocês tenham gostado, gente.
Beijos da Mi :*
Até a próxima!

Fanpage ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Youtube ♥ Skoob ♥ Tumblr

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Eu sempre quis ler esse livro, essas capas são perfeitas demais =]
    Resenha maravilhosa

    http://rotinadafelicidade.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. @Claudia Alves
    As capas são perfeitas sim! Amoooo! Eu devorei o primeiro e o segundo em meno de 3 dias. KKKKKKKKKKKK'

    Obrigada, minha flor! :D

    ResponderExcluir

Fortaleza, 22 anos, ariana, potterhead, narniana, whovian, shadowhunter e muitas outras atribuições. Livros, música, cinema, fotografia, artes, geekices e nerdices são minhas paixões. Uma pequena garota com grandes planos de se aventurar pelo mundo.

 

Wanderlust ©2013-2017. Todos os direitos reservados.

Design, Layout e Programação por Micaela Ramos.

----Voltar ao Topo----