27 novembro 2013

"Ame o que é seu", Emily Giffin

"Ame o que é seu"
Emily Giffin
Editora Novo Conceito
Brochura, 312 páginas, Ano: 2012, ISBN: 9788599560532
Média do preço: R$19,90 (promoção R$14,00)
Links alternativos: Skoob - Goodreads - Americanas - Extra - Saraiva - Submarino
3.5 estrelas
Sinopse:
“Como amar de verdade a pessoa que está comigo, se não consigo esquecer alguém que ficou no passado?”.
O tema deste livro deixa aquela pulga atrás da orelha, te faz imaginar como seria a vida se tivéssemos feitos outras escolhas. Esta é uma história para quem algum dia já se perguntou isso.
Em Ame o que é seu o leitor encontrará a história de uma mulher (Ellen) dividida entre o amor real e aquele fatídico 'E, se'.
O casamento de Ellen e Andy não parece perfeito, ele é perfeito. São inegáveis a profundidade da devoção mútua e o quanto um esperta o melhor do outro. Mas por obra do destino, certa tarde, Ellen revê Leo pela primeira vez em oito anos. Leo, aquele que partiu seu coração sem se explicar, aquele que ela não conseguiu esquecer.
Quando o reaparecimento dele desperta sentimentos há muito adormecidos, Ellen se põe a questionar se sua vida atual é de fato como ela queria que fosse.
O desenrolar da história é contagiante, pois a cada página acontecem novas cenas que é quase impossível abandonar a leitura, ou ... não se colocar em seu lugar.
Nunca levei tanto tempo protelando para ler um livro. Na verdade, eu protelei muito para terminar de ler "As Crônicas de Nárnia", mas era porque eu não queria acabar o livro, simplesmente. Esse livro eu queria acabar há tempos, mas não conseguia, simplesmente, a história não entrava em mim e eu odiei a personagem principal, odiei mesmo, mas contarei aqui como foi o meu "lance" com esse livro.

Simples. Enervante. Real.

Seguindo uma linha bem simples de ler, Emily Giffin nos conta a história de Ellen, uma americana que sai de sua cidade natal e vai estudar em Nova York, lá conhece sua companheira de quarto, Margot, que participará mais do futuro de Ellen do que ela mesma sabe. O tempo se passa e Ellen conhece um cara que parece ser o de seus sonhos, tem uma história com ele e depois de algum tempo juntos, o relacionamento acaba com o que parece ser mais nem menos, mas é tudo resultado de uma bola de neve que vem se acumulando há tempos. O que Ellen não se dá conta é de que ela tem que seguir em frente e esquecer Leo, o cara por quem ela era loucamente obcecada e essa obcessão dura por muito tempo. Ellen fica numa fossa tremenda depois do término com Leo e não quer sair e nem fazer nada, mesmo que Margot, que se torna sua melhor amiga, tente várias vezes fazer com que ela saia de casa. Um dia, cansada de ver sua melhor amiga largada no sofá para assistir a próxima reprise de um filme na tv, Margot faz um trato com Ellen, logo após de ver fotos de Ellen (a qual é louca por fotografia e é uma ótima fotógrafa) e mostra o quanto de significado e beleza tem em suas fotos, enquanto que quando ela estava com Leo, suas fotos eram superficiais e sem um real sentido. Ellen segue em frente e enterra Leo fundo em seu coração, em vez de deletá-lo de vez de sua vida. Passado o tempo, Ellen é convidada para o dia de ação de graças na casa dos pais de Margot, em Atlanta. Os pais de Margot são realmente muito ricos e ela tem um irmão, dois na verdade, mas o que mais vai contar na história é o Andy, o carinha perfeito que se apaixona por Ellen (eu não ia dizer isso, mas lá vou eu [amor, não me mate]: O ANDY É PERFEITO, cara, como que a autora me põe um homem no livro que é compreensivo, carinhoso, sincero, meigo, charmoso, romântico e faz de um tudo pela Ellen? Até para ficar com raiva ele é muito difícil, tipo, muito raro um homem assim... e eu não vou fazer propagando do meu, porque né? Mas, amor, eu te amo e você é perfeito para mim!). Andy e Ellen se casam depois de mais ou menos 6 ano de namoro e depois de um esbarrão num cruzamento, a vida de casado dos dois está por um triz. O esbarrão foi de Ellen com Leo, seu ex namorado, aquele que ela na verdade nunca esqueceu. Eles se encontram e é a partir disso que o rumo da história começa a mudar (e eu a odiar cada vez mais a personagem principal e o livro). Andy consegue um trabalho ótimo de fotografia para Ellen, um sonho, no momento ela não aceita, mas sua agente aceita por ela e ela acaba fotografando um astro da música. Ellen acaba se deixando levar pelas luzes falsas e só vocês lendo para saber o que ela faz. Ela acaba tendo seus desentendimentos com Andy e com Margot, por se sentir inútil em Atlanta, como se servisse apenas para servir o marido e não pudesse fazer nada. Depois de uma briga e de contatos por e-mail com Leo, Ellen vai para Nova York debaixo de briga com Andy. Ela vai e faz um trabalho com Leo, só que no meio do que ela poderia ter feito, sua irmã Suzanne a liga e conversa com ela e ela acaba indo para sua antiga casa com Andy, o lugar onde ela era feliz e então uma surpresa acontece.

Eu adorei o final do livro, chorei muito, apesar de ter passado o livro inteiro odiando a personagem principal e sentindo pena do Andy. Eu pessoalmente demorei 1 ano para ler o livro porque eu comecei a ler e ele me fez mal de uma maneira que eu mal podia tocá-lo e pensamentos ruins tomavam conta da minha cabeça e então eu começava a chorar, simplesmente horrível. Deixei a leitura de lado, afinal, tantos livros para ler! Retornei a leitura e mesmo querendo lê-lo muito rápido, li no ritmo do livro e adorei o final. Essa coisa que os personagens da Emily têm de sempre mudar o conceito ou a cabeça acerca de algo no último instante é muito arrasadora.

O relacionamento entre os personagens é bastante intenso. Ellen e Suzanne são amigas, apesar de terem seguidos caminhos completamente diferentes, elas não deixam de se falar e contar segredinhos uma para outra, achei isso muito divertido. Margot é uma boa amiga, do tipo que não liga se é rica ou não, está lá e pronto, soberana. Andy é o... Andy e eu já falei dele, a relação dele com a irmã é muito fofa e engraçada, ele quer protegê-la, mas tem aquela rixa de irmão de brigar por coisa besta tipo quando a Margot liga bem cedo para Ellen e acorda os dois numa manhã de domingo bem cedo! Leo e Ellen, a relação deles para mim é coisa de carne e muito falsa, porque se fosse pra ter dado realmente certo, isso teria acontecido no passado e ele não teria esperado ela se casar para correr atrás dela de verdade.

A capa do livro é muito linda. Adorei a rua estilo Nova York, com as casas semi-iguais e todas coloridas, com as árvores do lado, um casal caminhando juntos de braços dados e flores vermelhas e brancas ao lado de uma máquina fotográfica profissional. Adorei mesmo porque simbolizou de verdade a história do livro e é bem fofinha em tons cor de rosa e pastel. A diagramação do livro é perfeita!!! Cheia de flores delicadas. A folha é pólen, não é um pólen de grande qualidade, mas dá para ler muito bem e apreciar a leitura mesmo assim.

Enfim, recomendo esse livro para quem gosta de surpresas, romances, reviravoltas nas atitudes dos personagens, histórias que se parecem com a realidade (só se parecem, pois duvido muito que depois de onde a personagem principal chega, alguém na vida real pare, principalmente nos dias atuais, mas para tudo existe alguém no mundo).

É isso, espero que tenham gostado. Sigam o blog, comentem, sintam-se a vontade.
Até a próxima!
Beijos da Mica :*

Fanpage ♥ Twitter ♥ Instagram ♥ Youtube ♥ Skoob ♥ Tumblr

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Fortaleza, 23 anos, ariana, intensa, impulsiva, passional, empática, feminista, louca, estranha, artista, livre, mente aberta. Música, cinema, fotografia, artes, natureza são minhas paixões. Uma pequena mulher com grandes planos de se aventurar pelo mundo.

 

Wanderlust ©2013-2017. Todos os direitos reservados.

Design, Layout e Programação por Micaela Ramos.

----Voltar ao Topo----